Santa Cruz recebe A MENINA QUE DESAPRENDEU A SORRIR de Andreia Baptista e Teresa Vieira

Lançamento no dia 27 de abril, sábado, na 3.ª Feira do Livro de Santa Cruz, na Praia dos Reis Magos, pelas 16:00. Depois de LUNA! OUTRA VEZ NA LUA! e AI SE EU FOSSE ZEUS…, Andreia Baptista lança A MENINA QUE DESAPRENDEU A SORRIR.
A MENINA QUE DESAPRENDEU A SORRIR, da autoria de Andreia Baptista e com ilustrações de Teresa Vieira é editado pela CADMUS, uma das chancelas da ACADÉMICA DA MADEIRA.

«Era uma vez uma menina que se esqueceu de sorrir… Não… Não foi só uma vez… Nem duas… nem três… Foi durante muito muito tempo. Até que começou a viver dentro de uma bolha de sabão transparente mas reluzente, frágil mas intransponível. Não, não é exagero. Dava a ideia de viver alheada de tudo e de todos. Nada a fazia sorrir. Nada a fazia chorar. Nada a irritava. Nada a assustava. Aparentava viver sem emoções. Sem sentimentos. Que é o mesmo que dizer: ela não vivia… limitava-se a existir.»

A MENINA QUE DESAPRENDEU A SORRIR é o novo lançamento dirigido ao público infantojuvenil e a terceira obra escrita por Andreia Baptista e ilustrada por Teresa Vieira que traz a chancela da Cadmus, após LUNA! OUTRA VEZ NA LUA! e AI SE EU FOSSE ZEUS…

Com a cabeça na Lua!

Luna e o Bochechinhas, o livromante, são personagens criadas por Andreia Baptista e que têm feito as delícias das crianças da Madeira. No início de 2023, a escritora faz o balanço da receção do seu primeiro livro e fala de projetos futuros.

Esta é a história de uma menina normal, como tantas outras, que vive numa família que passa por uma experiência de mudança, o divórcio dos pais. As autoras, pelo texto e pelas imagens, conseguem transmitir ao leitor as emoções que a menina sentiu e porquê. O desafio colocado aos leitores é o de identificar estes sentimentos, nesta história e nas suas próprias vidas, ou de pessoas próximas, no sentido de os ajudar a gerir este tipo de acontecimentos da vida atual da melhor maneira possível.

A partilha das vivências com alguém próximo, em quem se confia, seja amigo, familiar ou um psicólogo, ajuda a lidar com as emoções, para lidarmos da melhor maneira com as mudanças da vida. Naierda, a protagonista da história, encontrou uma forma muito interessante de partilha…

A MENINA QUE DESAPRENDEU A SORRIR apresenta uma lição de superação psicológica de uma situação vivida traumaticamente – a separação dos pais. Como refere Andreia Baptista, a literatura infantojuvenil pode contribuir para essa superação: «Eu acredito que, lendo e ouvindo histórias, podemos “viver” a vida das personagens, “sentir” as suas emoções, “experienciar” as suas peripécias, “ultrapassar” os seus obstáculos, “refletir” sobre as suas decisões… Fazemos tudo isto com a nossa imaginação e, muitas vezes, sem darmos conta. Essa é a verdadeira magia dos livros. Por isso, acredito que o livro certo na hora certa pode mudar uma vida (para melhor, claro)».

Este aspeto da superação dos problemas também está presente no trabalho da ilustradora Teresa Vieira que explica que «a própria história mostra uma forte ligação entre os sentimentos da Naierda com as cores, e portanto para mim foi óbvio passar esta ideia para o universo das imagens, e por isso o livro começa com cores monocromáticas, (a própria personagem de Naierda é representada toda de cinzento), até que no fim aparecem novamente as cores».

A história de Naierda, A MENINA QUE DESAPRENDEU A SORRIR, não é uma fórmula pronta a aplicar em situações difíceis, mas uma esperança, bastante poética, na comunicação entre as pessoas e das pessoas com os seus sentimentos. Na opinião de Andreia Baptista, «é importante que sejamos capazes de nos ouvir verdadeiramente uns aos outros. É escutando que nos compreendemos melhor. Não só aos outros, mas também a nós próprios.»

Andreia Santos Baptista nasceu em 1980. Vive na freguesia da Camacha, mais precisamente no sítio do Rochão, que tanto estima. Estudou na Camacha e, posteriormente, no Funchal, frequentando a antiga a escola das Mercês e a Jaime Moniz. Licenciada em Línguas e Literaturas Românicas, variante Português-Francês, pela na Universidade da Madeira, especializou-se em Animação Sociocultural de Bibliotecas Escolares, iniciando funções, em 2003, na biblioteca da EB1/PE da Camacha.

Em 2019, embarcou numa nova aventura profissional, na Câmara Municipal do Funchal, na Divisão de Educação e Qualidade de Vida, como responsável pela dinamização de atividades de leitura nos polos da Penteada e da Nazaré. Atualmente, integra o Departamento de Cultura da autarquia, onde tenta “manter-se ligada, de uma forma ou de outra, ao que a faz verdadeiramente feliz: a mediação de públicos quer sejam eles miúdos ou graúdos.” Andreia Baptista além de Técnica Superior de Bibliotecas é apaixonada por histórias e pelos livros em geral.

Em vez de literatura infantil, prefere usar livros infantis para designar as estas obras que, no fundo, são para todas as idades. Acredita, por isso, na magia dos livros, “que divertem e transportam para o mundo da fantasia, ao mesmo tempo que transmitem lições e valores, podendo até mudar uma vida, para melhor”. A MENINA QUE DESAPRENDEU A SORRIR é a terceira obra da escritora publicada pela Cadmus, também resultante da parceria com a ilustradora Teresa Vieira. As outras colaborações entre as autoras e a editora foram LUNA! OUTRA VEZ NA LUA! e AI SE EU FOSSE ZEUS…

Teresa Vieira é uma artista e ilustradora madeirense, nascida na Venezuela, em 1997, país onde passou a infância e a adolescência. Começou a sua formação nas artes plásticas, em 2015, na Arturo Michelena, escola de Artes da cidade de Carabobo, que homenageia um dos maiores vultos sul-americanos da pintura do século XIX, e posteriormente licenciou-se em Artes Visuais pela Universidade da Madeira.

Desde 2019, integrou mostras coletivas expostas na Galeria.a – Cine Teatro de Santo António (Funchal), na Galeria Francisco Franco e até no Teatro Municipal de Baltazar Dias, sob a orientação de, entre outros artistas, Filipa Venâncio e Vítor Magalhães. Em 2022, idealizou, para a ACADÉMICA DA MADEIRA, a t-shirt My Favourite Colour, inspirado no trabalho de Adam Bridgland, sobre a temática da inclusão social.

Desenvolve livros infantis e juvenis para IMPRENSA ACADÉMICA e para CADMUS, realizando ilustrações com várias técnicas plásticas ou recorrendo a ferramentas digitais. Em 2022, apresentou, em coautoria, na 48.ª Feira do Livro do Funchal, LUNA! OUTRA VEZ NA LUA?!, com Andreia Baptista, e O CAMPEÃO DAS TOLICES, inédito infantil do consagrado autor José Viale Moutinho. Ainda nesse ano, a 1.ª Feira do Livro da Calheta, realizada na Casa das Mudas, foi apresentado o segundo volume da coleção infantojuvenil VIDAS (DES)CONHECIDAS, este dedicado à escritora LUZIA, por si ilustrado e com texto do ator e dramaturgo Xavier Miguel. Sempre em parceria com Andreia Baptista, ilustrou a obra AI SE EU FOSSE ZEUS… saída em 2023.

Teresa Vieira dá vida uma fábula para crianças

Teresa Vieira, ilustradora de várias obras lançadas pela IMPRENSA ACADÉMICA e pela CADMUS, volta a encantar com o seu trabalho. Numa nova colaboração com a escritora Andreia Baptista, apresenta-nos AI! SE EU FOSSE ZEUS…, um dos lançamentos da CADMUS para Feira do Livro do Funchal.

A CADMUS foi criada em 2016 para editar trabalhos de autores portugueses e estrangeiros. É uma editora generalista de livros independentes, natural da Ilha da Madeira, que edita em Portugal para todo o mundo. A sua linha editorial é constituída por vários géneros literários e procura, numa parte relevante das suas publicações, apresentar novos autores aos leitores, sempre tentando incitar e impulsionar a paixão pela leitura.

Na área de literatura para a Infância, entre obras destinadas ao público em idade pré-escolar e escolar, conta com duas dezenas obras, entre contos, fábulas e biografias. Depois da história de vida de RICARDO VELOZA, de José Viale Moutinho e de Martim Velosa, 4.º volume da coleção VIDAS (DES)CONHECIDAS, a Cadmus volta a trabalhar com Andreia Baptista e Teresa Vieira e traz ao público A MENINA QUE DESAPRENDEU A SORRIR.

CADMUS é o nome daquele que é considerado o primeiro herói da mitologia helénica. Para Heródoto, teria sido o introdutor do alfabeto fenício na Grécia Antiga, originando o alfabeto grego.

Timóteo Ferreira
Com Carlos Diogo Pereira
ET AL.
Com a capa ilustrada por Teresa Vieira.