Mais uma obra poética inédita no panorama literário madeirense

Luísa Sardinha lança inédito de poesia, editado pela CADMUS, que se será apresentado a 26 de maio, pelas 18:00, no Centro Comunitário do Funchal, junto à Biblioteca Municipal.
SOMENTE PALAVRAS, de Luísa Sardinha, editado pela CADMUS, uma das chancelas da ACADÉMICA DA MADEIRA.

SOMENTE PALAVRAS, de Luísa Sardinha, constitui-se por cinquenta poemas escritos entre 2001 e 2022 e tem como tema o amor nos seus variados sentidos, refletindo as vivências, emoções e sentimentos da autora.

Teresa Vieira dá vida uma fábula para crianças

Teresa Vieira, ilustradora de várias obras lançadas pela IMPRENSA ACADÉMICA e pela CADMUS, volta a encantar com o seu trabalho. Numa nova colaboração com a escritora Andreia Baptista, apresenta-nos AI! SE EU FOSSE ZEUS…, um dos lançamentos da CADMUS para Feira do Livro do Funchal.

Profissional da área da Educação e antiga estudante da Universidade da Madeira, a poetisa madeirense Luísa Sardinha é a autora desta obra inédita editada pela CADMUS.

Conte-nos um pouco sobre como surgiu a sua paixão pela escrita e, em particular, pela poesia.

Desde criança que o mundo dos livros sempre me cativou. Passava grande parte do meu tempo livre a ler. Tudo isso fez com que, já adolescente, apreendesse o mundo à minha volta e os livros que lia através da escrita do meu diário.

Já na universidade, e depois de ler vários poetas, como a Florbela Espanca, Pablo Neruda, Fernando Pessoa… fascinou-me o mundo lírico e comecei a escrever espontaneamente textos poéticos.

A sua formação inicial foi na área das línguas e literaturas, mas depois fez uma pós-graduação na área da animação de bibliotecas escolares e das ciências documentais. Como vê a relação entre o seu trabalho e a sua criação literária?

O facto de trabalhar todos os dias num ambiente literário e de fazer a dinamização do livro e da leitura para o público jovem, junto com as minhas vivências pessoais, faz com que tudo isto me desperte a criatividade e a necessidade de escrever, trazendo cá para fora todo esse mundo.

Aventurou-se também pela narrativa, com um conto de Natal. Fale-nos um pouco sobre esta experiência.

Escrever um conto foi uma experiência enriquecedora que me levou à redescoberta da infância quer através das histórias que ouvia, quer das histórias que eu lia, sendo que a minha escrita não se cinge a um único género, mas é transversal à poesia e ao conto infantil.

Como vê a poesia na Madeira, sobretudo escrita por mulheres?

Desde há uns para cá, tenho assistido a uma crescente produção literária na área da poesia, quer através de antologias poéticas coletivas, quer individuais. No entanto, acho que a produção poética feminina e masculina está mais ou menos equilibrada.

Ao longo do tempo, notou-se uma evolução na expressão poética feminina e sensual do amor, aspeto reprimido até ao 25 de Abril.

Entrevista conduzida por Timóteo Ferreira.
ET AL.
Com imagem do livro com design gráfico de Pedro Pessoa.

DESTAQUES