Combater a precaridade na ciência

Combater a precaridade na ciência

Este artigo tem mais de 1 ano

A Ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Elvira Fortunato, destacou as novas medidas tomadas pelo Governo para «combater a precariedade na Ciência» e que visam contribuir para a robustez e estabilidade do sistema científico e de ensino superior nacional.

A Ministra falava na sessão de encerramento da 8ª edição da Conferência «Caminhos do Conhecimento», que decorreu em Évora, no Dia Nacional do Cientistas.

Recordando o anterior homólogo – José Mariano Gago – Elvira Fortunato referiu que o dia «foi recheado de atividades científicas e de divulgação de ciência na cidade de Évora» e «que de novo homenageou Mariano Gago, que faria hoje 75 anos».

A Ministra disse que «este é também o dia em que homenageamos todos os cientistas portugueses», referindo-se a eles como «o recurso mais precioso do sistema científico», relativamente à qualidade e excelência do seu trabalho.

Elvira Fortunato destacou a criação de uma Linha de Candidatura Específica em Ambiente Não Académico no âmbito do «Concurso de Bolsas de Doutoramento 2023», através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e que permite «o apoio a doutorandos que queiram desenvolver a sua atividade de investigação em entidades não académicas», como empresas, entidades do setor social, da administração pública, entre outras.

Novos programas

Paralelamente este programa – que «continuará no próximo ano» – A Ministra afirmou que será acrescentado um outro de Estímulo ao Emprego Científico para doutorados em entidades não académicas. Ambas as medidas visam promover o emprego altamente qualificado e a integração de doutorados.

Elvira Fortunato referiu ainda que o Governo está a tomar medidas para combater a precariedade laboral, relembrando os dois programas de financiamento, já lançados, o RESTART e o ERC Portugal, iniciativa em que «fomos pioneiros». Na mesma linha, revelou que será lançado «um segundo eixo, denominado ERC Pre-assessment» direcionado aos investigadores que se encontrem em fase de preparação de candidaturas ao Conselho Europeu de Investigação.

A Ministra disse que as medidas políticas tomadas são baseadas «em evidências que têm mostrado nos últimos anos, que internacionalmente, as carreiras académicas tradicionais já não conseguem absorver o número crescente de doutorados» e, perante a conjuntura nacional, «em julho substituiremos um instrumento de financiamento, propondo um novo programa denominado FCT-Tenure», com o objetivo de promover a contratação de doutorados exclusivamente para posições permanentes.

FCT em Números

Elvira Fortunato encerrou o último painel da sessão «Os cientistas e a cultura científica em Portugal, Passado, Presente e Futuro», referindo a nova funcionalidade no website da FCT, lançada hoje e denominada «FCT em Números» que, a partir de agora, permite «o acesso direto às suas bases de dados», na qual são colocados à disposição da comunidade científica e académica, mas também da população em geral, dados estatísticos da sua atividade.

Características da Investigação Científica

A investigação tem dado um importante contributo ao desenvolvimento da humanidade. Fortin (2003), no seu livro sobre “o processo de investigação” diz-nos que a investigação científica é um processo que

A iniciativa de apresentação da «FCT em Números» ilustra mais um passo na execução da política de dados abertos da FCT e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), que reforça o compromisso para com princípios de transparência, integridade e participação da comunidade científica.

Texto do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
Com fotografia de Bee Naturalles.