MANGA D’TERRA

MANGA D’TERRA

Rosa, 20 anos, deixa os dois filhos em Cabo Verde para se instalar na Reboleira, um bairro pobre de Lisboa. Começa a trabalhar num bar para enviar dinheiro para os filhos, enquanto tenta criar uma carreira na música. Contudo, a sua personalidade marcante não é bem vista no bairro onde vive.

A determinação e ambição de Rosa intimidam tanto os homens quanto as mulheres ao seu redor. Presa entre o assédio de gangsters e a violência policial quotidiana, esta mãe cabo-verdiana tenta encontrar consolo na comunidade. Mas o seu verdadeiro refúgio é a música.

A Vida como Arte

Em ‘Cidade Rabat’ acompanhamos o luto de Helena, uma produtora de cinema de quarenta anos, após o falecimento da mãe. Enquanto vive uma vida alternada com a filha e enfrenta a rotina burocrática do trabalho, Helena é envolvida por um sentimento de órfã e morbidez. 

Basil da Cunha é um realizador suíço de origem portuguesa nascido em 1985, formou-se em ciência política e sociologia antes de cofundar a Thera Production. Em 2009, iniciou os seus estudos em cinema na HEAD, em Genebra. O seu filme “A Côté” (2010) foi nomeado para o Prix du Cinéma Suisse e venceu o Prémio de Melhor Filme Nacional no Curtas Vila do Conde. Em 2013, lançou a sua primeira longa-metragem, “Até ver a Luz”, com estreia na Quinzaine des Réalisateurs, também exibida em São Paulo e Locarno. A sua mais recente longa-metragem, “O Fim do Mundo”, estreou em Locarno e foi exibida em Busan, Milão e São Paulo. Este filme ganhou prémios em Les Arcs e Valladolid, e o Prémio de Melhor Fotografia no Prix du Cinéma Suisse, em 2020.

O vírus da virtude: lutar para (re)memorar

Ao analisar a doença de Alzeihmer e a aproximação da morte na série This Is Us, Roberta Busch, mestre em neurociências pela Universidade Federal de São Paulo, descreve-as como uma

Almas em Conflito

Num thriller psicológico na mente de Fernando Pessoa, o CLUBE DO NADA, povoado pelos seus heterónimos, vê-se perturbado pela chegada de

LER MAIS...

MANGA D’TERRA de Basil da Cunha é a sugestão do Screenings Funchal, numa parceria com os Cinemas NOS e a ACADÉMICA DA MADEIRA, para sexta e sábado, 7 e 8 de junho.

O cliente NOS, portador do seu cartão, tem direito a dois bilhetes pelo preço de um. Se for sozinho, além do bilhete, tem a oferta de um menu pequeno de pipocas e bebida. Vamos aproveitar estas vantagens com mais um momento de grande cinema que o Screenings Funchal proporciona.

Convidamos a assistir esta longa-metragem com a nossa companhia. Até lá, confira o que lhe contamos no portal do Screenings Funchal.

Diana Gouveia
ET AL.
Com fotograma da película de Basil da Cunha.