Estudantes da UMa em protesto por melhores condições

No Dia da Universidade da Madeira, os estudantes protestam no Colégio dos Jesuítas por melhores condições de estudo e de investigação. Entre os convidados das cerimónias na reitoria, a presenciar a manifestação, estavam reitores de várias universidades, a secretária de Estado da Ciência e o próprio ministro que tutela o Ensino Superior.
Estudantes da Universidade da Madeira durante a manifestação de 6 de maio de 2024, no Pátio dos Estudantes do Colégio dos Jesuítas do Funchal, promovida pela ACADÉMICA DA MADEIRA.

O novo executivo não gozou de um “estado de graça”. Dezenas de estudantes estiveram a protestar por um financiamento do Estado que permita que a Universidade da Madeira (UMa) possa melhorar vários aspetos que carecem de manutenção, além de solucionar problemas no quadro geral do Ensino Superior, da Ciência e da Tecnologia.

O ministro da Educação, Ciência e Inovação, Fernando Alexandre, que tutela o Ensino Superior, esteve no Funchal a participar da sua primeira reunião com o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) e das cerimónias do Dia da UMa, ambos em realização hoje, 6 de maio, no Colégio dos Jesuítas do Funchal.

Dia da Universidade da Madeira

O Dia da Universidade da Madeira é uma data de grande importância para toda a comunidade académica da região. Celebrado anualmente a 6 de maio, este dia assinala ligação da UMa com a abertura das aulas no antigo Colégio dos Jesuítas do Funchal.

“Hoje, não precisei pedir a palavra para intervir como precisou Alberto de Sousa Martins, a 17 de abril de 1969”, indicou Ricardo Freitas Bonifácio, presidente da Direção da ACADÉMICA DA MADEIRA, na sua intervenção, lembrando  que o presidente da Académica de Coimbra foi impedido de falar publicamente na inauguração do Departamento de Matemática da sua universidade.

No Pátio dos Estudantes, juntaram-se meia centena de estudantes da UMa “para alertar sobre os problemas que vivemos e os problemas que continuaremos a viver se não alterarmos políticas que os sucessivos governos têm falhado em discutir e promover”, recordou o Ricardo Freitas Bonifácio, salientando que, “em maio de 2023, estivemos aqui, com as mesmas exigências”.

Dezenas de estudantes da UMa, trajados ou de cores escuras, empunharam cartazes com imagens que ilustram o estado da arte na Universidade da Madeira do bom funcionamento da sua instituição e do ensino superior em geral. A manifestação silenciosa chamou a atenção dos vários convidados da reitoria, chegando o ministro a aproximar-se, acompanhado de Sílvio Fernandes, reitor da UMa.

Tiago Camacho foi um dos estudantes que integrou a manifestação e segurando um cartaz com a fotografia de um prato de comida, que chamou a atenção de Fernando Alexandre. “Perguntou-me sobre de que se tratava e disse-lhe que era uma manifestação silenciosa para retratar o que se passa na nossa Academia”, explicou o estudante à ET AL. O ministro, olhando para o cartaz que empunhava “perguntou-me sobre a minha foto, que era uma crítica à alimentação […] e eu falei que retrata dos problemas na cantina e no bar da universidade, [… em] que à uma da tarde, já não há pão, fiambre […] carne”, explicou o Tiago Camacho.

A juntar esta manifestação, a ACADÉMICA DA MADEIRA publicou de manhã, na rede social Instagram, uma mensagem de Ricardo Freitas Bonifácio, que ultrapassou as 20 mil visualizações. Recordando ser “necessário destacar o compromisso que o novo governo deve ter com a dotação orçamental do Ensino Superior, numa ação diferente dos anteriores executivos”, enumerando os desafios que a Universidade da Madeira enfrenta diariamente, como as “despesas correntes do funcionamento da instituição” e  a “manutenção e recuperação das infraestruturas dentro e fora da UMa”.

Das propinas ao alojamento: o governo continua a chumbar

Mensalmente, a ACADÉMICA DA MADEIRA tem um espaço de opinião no JM Madeira. Ricardo Freitas Bonifácio, Presidente da Direção da ACADÉMICA DA MADEIRA, escreve este mês sobre os principais temas que marcam o regresso da atividade letiva no Ensino Superior e que continuam a preocupar os estudantes.

O vídeo chama a atenção para os desafios colocados aos estudantes da UMa, como alojamento, a saúde física e mental, apoios sociais, a promoção de acolhimento dos novos estudantes, o combate ao abandono e desistência e a promoção de políticas de integração académica, temáticas herdadas da legislatura anterior.

Numa nota em prol dos docentes e investigadores da Universidade, o líder estudantil madeirense fala também da necessidade de promoção da investigação e do fim da precariedade na docência.

Carlos Diogo Pereira
ET AL.
Com fotografia de Pedro Pessoa.