Um novo conceito de tratamento no documentário de Nicolas Philibert

O Adamant é um Centro de Dia único: é um edifício flutuante. Construído nas margens do Sena, no coração de Paris, acolhe adultos com problemas mentais, oferecendo-lhes uma estrutura de atendimento que os estrutura no tempo e no espaço, os ajuda a reconectar-se com o mundo, a encontrar um pouco de ‘momentum’.

Numa barcaça presa a um cai no meio do rio Sena, em Paris, funciona um centro de dia para pessoas que sofrem de perturbações mentais, aberto desde 2010. Não há dormitórios, nem camas, nem salas de tratamento, apenas ateliers de artes e um bar, onde tem lugar um tratamento baseado em dois tipos de terapia, o diálogo e a expressão artística. A equipa que o anima tenta resistir ao máximo à decadência e desumanização da Psiquiatria.

Laços Inquebráveis

Wendy Carroll (Michelle Williams) procura emprego e uma nova vida em Ketchikan, Alasca, com a sua cadela Lucy. No entanto, o seu carro avaria no Oregon, deixando-a financeiramente vulnerável. Ela enfrenta decisões difíceis que afetam a sua vida e a de Lucy, explorando os limites da solidariedade e generosidade na

Sobre o L’Adamant é um documentário de 110 minutos, realizado por Nicolas Philibert, com apoio dos pacientes e dos cuidadores do Centro de Dia L’Adamant, com argumento de Linda de Zitter e do próprio realizador.

Nicolas Philibert é um ator e cineasta francês, nascido em Nancy, em 1951. Formado em Filosofia pela Universidade de Grenoble, Philibert é um aclamado autor de documentários, género que lhe granjeou um César, o mais alto galardão do cinema francês, e com Prémio do Cinema Europeu, em 2002, por Ser e ter. Este ano, Sobre o L’Adamant rendeu-lhe o Urso de Ouro da categoria de documentário, no Festival Internacional de Cinema de Berlim.

Sobre L’Adamant é a sugestão do Screenings Funchal, numa parceria com os Cinemas NOS e a ACADÉMICA DA MADEIRA, para sexta e sábado, 10 e 11 de novembro.

O cliente NOS, portador do seu cartão, tem direito a dois bilhetes pelo preço de um. Se for sozinho, além do bilhete, tem a oferta de um menu pequeno de pipocas e bebida. Vamos aproveitar estas vantagens com mais um momento de grande cinema que o Screenings Funchal proporciona.

Uma realidade até quando?

Mantas Kvedaravičius regressou à Ucrânia em 2022, mais precisamente a Mariupol, onde se encontra o epicentro da guerra, para estar junto das pessoas que conhecera e filmara em 2015. Kvedaravičius pretendia testemunhar, como cineasta, o que estava a acontecer em Mariupol, distante das imagens transmitidas pelos meios de comunicação social

Convidamos a assistir a esta longa metragem na nossa companhia. Até lá, confira o que lhe contamos no portal do Screenings Funchal e deixe-se ficar com a antevisão.

Carlos Diogo Pereira
ET AL.
Com fotograma da película de Nicolas Philibert.

DESTAQUES