O reflexo da imaginação

O reflexo da imaginação

Este artigo tem mais de 1 ano

Num hotel localizado na costa norte de Portugal, diversos clientes reúnem-se durante um fim de semana. Três famílias enfrentam desafios em estágios avançados de seus ciclos de aceitação.

Norte de Portugal, num hotel do litoral,  um homem vê-se dividido entre atender às necessidades da sua esposa e lidar com a presença constante da sua mãe. Enquanto isso, outra mãe está determinada a promover o casamento da sua filha para fortalecer sua própria relação amorosa com o genro. Além disso, uma terceira mãe parece viver vicariamente através da sua filha, controlando as suas decisões e impedindo-a de ser independente. São três famílias enfrentando desafios em estágios avançados de seus ciclos de aceitação. Viver Mal é um reflexo do filme Mal Viver.

Terra Adorada, Terra Brasilis

Através dos olhos da filha, Patpro vai percorrer três épocas da história do seu povo indígena, no coração da floresta brasileira. Incansavelmente perseguidos, mas guiados pelos seus ritos ancestrais, pelo seu amor pela natureza e pela sua luta para preservar a liberdade, os Krahô reinventam diariamente novas formas de resistência.

Num reflexo, a imagem refletida é invertida; em Viver Mal a imagem revela aquilo que só pode ser imaginado no outro filme: os hóspedes do hotel, que antes eram apenas sombras e vislumbres fugazes, aparecem agora como os protagonistas. Por outro lado, a família do hotel, que era protagonista no filme anterior, torna-se sombra e vislumbre fugaz, perturbando a narrativa das histórias dos hóspedes neste novo contexto.

Através de fragmentos perturbadores, somos convidados a mergulhar na imaginação do espetador, que se entrelaça com a dimensão dramática dos clientes. Eles deixam de estar isolados para existirem em um mundo compartilhado, onde as suas vidas podem ser observadas e exploradas. Essa abordagem única proporciona uma experiência cinematográfica marcante e intrigante.

A sugestão do Screenings Funchal para o fim-de-semana

João Canijo é um proeminente realizador, argumentista e produtor português, conhecido por filmes como Sangue do Meu Sangue (2011) e É o Amor (2013). As suas obras exploram temas como relações familiares, tradições culturais e o universo da música popular portuguesa. Com uma abordagem realista e emocionalmente cativante, Canijo captura a essência das suas histórias, contando com uma trupe de atores e atrizes que colaboram nas suas produções. A sua contribuição para o cinema nacional consolida-o como um dos principais cineastas de Portugal.

Viver Mal oferece uma perspectiva alternativa sobre os mesmos período e espaço de Mal Viver, revelando os dramas que são apenas vislumbrados em fragmentos por outros pontos de vista.

O Screenings Funchal, em parceria com os Cinemas NOS e a ACADÉMICA DA MADEIRA, recomenda o filme Viver Mal para sexta e sábado, 19 e 20 de maio. Os clientes da NOS que possuem o cartão da empresa podem adquirir dois ingressos pelo preço de um. Caso prefiram assistir sozinhos, terão direito a um ingresso, além de receberem como cortesia um menu pequeno de pipocas e uma bebida. Essa é uma excelente oportunidade para aproveitar mais um momento incrível de cinema proporcionado pelo Screenings Funchal.

Humanização do Ser

Este é um filme sobre caixas. Mas umas caixas especiais, colocadas em igrejas, onde podem ser deixados bebés para que sejam entregues para adoção.

Convidamo-lo a assistir a este filme com a nossa companhia. Até lá, dê uma vista de olhos no portal do Screenings Funchal e veja a antevisão que lhe deixamos.

António Roque
ET AL.
Com fotograma da película de João Canijo.