Casos de violência continuam a preocupar estudantes

Casos de violência continuam a preocupar estudantes

Este artigo tem mais de 1 ano

Esta semana um estudante relatou que teve a sua viatura alvo de um ataque ao sair do Campus Universitário durante a noite. No verão de 2022, o Reitor da Universidade da Madeira referia ter “aumentado a insegurança nas imediações” do edifício da Penteada, facto que tem sido experimentado pela comunidade académica.

Um grupo de sete pessoas, encapuzadas, surpreendeu um estudante enquanto este deixava o Campus Universitário da Penteada na noite de segunda-feira, 26 de março, por volta da meia-noite. Sem abordar o estudante, o grupo corria pelo exterior do edifício.

Furtos, roubos e agressões preocupam estudantes

São vários os episódios relatados pela comunidade académica nos últimos meses, num crescente sentimento de insegurança que motivou as autoridades universitárias a solicitar, ainda no verão de 2022, um reforço do policiamento que, pelos incidentes relatados, parece não ter surgido efeito desejado. Nem o interior do edifício escapou.

O estudante retirou a sua viatura que estava parada no estacionamento próximo da cantina e iniciou a marcha pela estrada, em direção à saída do complexo. Ao passar pela zona da entrada principal da Universidade da Madeira, o grupo de encapuzados atirou objetos em direção ao carro, parecendo tentar imobilizar a viatura à força. O automóvel sofreu ligeiros danos, contudo o estudante em causa saiu ileso da ocorrência.

Insegurança continua a atingir o Campus Universitário

Esta é mais uma queixa da comprovada insegurança que faz sentir no Campus da Penteada. Recentemente, as instalações da ARDITI, mais propriamente do ITI, foram alvo de vandalismo e roubos durante o período noturno. Veio também a público no mês passado o assalto feito a um carro de uma estudante, onde os vidros da viatura foram quebrados, e bens pessoais roubados, por volta da hora de almoço. A comunidade pede intervenção de entidades competentes, de forma a salvaguardar os seus bens pessoais, a sua integridade física e psicológica e a dos espaços da sua Universidade e demais locais nas imediações.

Qualquer tentativa, ameaça ou caso de furto, de violência ou de roubo, por exemplo, deve ser comunicada à Polícia de Segurança Pública (PSP). Através do portal Queixa Eletrónica, o cidadão pode apresentar queixas de forma remota em determinados tipos de de crime, cuja lista se encontra definida na Portaria n.º 1593/2007, de 17 de dezembro.

Através da denúncia, as forças de segurança podem atuar e obter dados que contribuirão para segurança de todos.

Carlos Diogo Pereira
ET AL.
Com fotografia de Jeremy Bishop