“A saúde psicológica é algo extremamente importante na nossa vida”

“A saúde psicológica é algo extremamente importante na nossa vida”

Este artigo tem mais de 1 ano

46,7% dos 591 estudantes inquiridos pela ACADÉMICA DA MADEIRA indicaram a necessidade de apoio psicológico, confirmando que a saúde mental é uma preocupação da comunidade. O Serviço de Psicologia trabalha, há mais de dez anos, para o bem-estar de toda a comunidade, desconstruindo a ideia de que a ansiedade, a tristeza ou os distúrbios são realidades inevitáveis e sem solução.

A funcionar no Campus Universitário da Penteada, são várias as iniciativas que o Serviço de Psicologia tem desenvolvido. Em outubro foi feita a apresentação do novo projeto de Saúde mental, o WEllbeing UMa. 

Na sequência dos desafios identificados pelo inquérito sobre as dificuldades dos estudantes realizado pela ACADÉMICA DA MADEIRA e no contexto do Ano Europeu da Boa Saúde Mental, entrevistámos Dora Pereira, a coordenadora do Serviço.

O Serviço de Psicologia tem trabalhado, desde 2009, no apoio a toda a comunidade escolar da Universidade da Madeira. Quais as principais conquistas do Serviço para manter a sua atividade?

O Serviço de Psicologia da UMa tem vindo a focar ao longo dos anos na promoção do bem-estar da comunidade académica e em especial, dos estudantes da UMa. Sabemos que muitos são os desafios que os estudantes enfrentam ao longo da jornada universitária, de índole académica, mas também de índole pessoal e mesmo familiar, que podem comprometer o seu desempenho e sucesso académico e igualmente, a sua saúde psicológica.

Neste contexto, temos procurado apoiar e auxiliar o estudante na gestão dos vários desafios da sua vida, capacitando-os com recursos psicológicos para melhor lidar com estes e que possibilite apoiar na construção da sua resiliência. Temos, também, procurado desenvolver um trabalho colaborativo com toda a comunidade académica, docentes e outros elementos da comunidade, para a promoção do bem-estar psicológica e desenvolvimento integral dos estudantes.

Ao longo dos anos conquistámos o reconhecimento da comunidade académica relativamente ao trabalho efetuado, bem como à acessibilidade do serviço como resposta aos desafios enfrentados por estudantes e professores. Hoje, a comunidade da UMa conhece melhor o Serviço de Psicologia e acede mais facilmente ao mesmo.

Muitas das organizações de saúde portuguesas têm estado no limite desde o início da Pandemia. Em que medida ela constituiu um desafio para o Serviço de Psicologia?

Como sabemos a pandemia COVID-19 trouxe desafios a vários níveis para todos nós, pessoas, serviços, organizações. A saúde psicológica e o bem-estar psicológico ganharam maior destaque e projeção entre a comunidade. Com isto, assistimos no Serviço de Psicologia da UMa um aumento substancial de pedidos de ajuda psicológica assim como verificamos uma maior abertura e reconhecimento por parte das pessoas, dos estudantes, relativo ao papel do psicólogo e da importância dos cuidados de saúde psicológica. Os estudantes partilham e passam a palavra relativamente a existência e utilização dos Serviço de Psicologia da UMa.

Isto abriu terreno e portas para continuarmos a apostar na promoção do bem-estar psicológico da nossa comunidade através da implementação de atividades/ações de caráter sobretudo preventivo e promocional a nível do bem-estar psicológico. Neste sentido, lançamos este ano académico, o Projeto WEllbeing UMa, destinado a todos os estudantes da UMa.

Este programa visa promover o bem-estar psicológico dos estudantes, reforçando o seu sentimento de pertença à instituição. Inclui wellbeing spots ligados a artes, desporto, bem-estar, que constituem espaços de interação social saudável entre os estudantes, para ajudar a lidar com stress e os desafios do quotidiano, e de promoção e difusão de conhecimentos em literacia psicológica, que serão dinamizados com ajuda dos estudantes, embaixadores de saúde mental.

No inquérito realizado em 2022 pela Académica da Madeira e divulgado pela ET AL. e pelo Diário de Notícias em dezembro, 46,7% dos 591 estudantes inquiridos indicaram a necessidade de apoio psicológico, sendo que apenas 8,7% dos que responderam referiram ter procurado apoio dentro da Universidade, totalizando 47,8% dos inquiridos a indicar que procuraram ajuda.

Que avaliação faz destes dados?

O estigma e preconceito relativa a procura psicológica constituem as principais barreiras ao acesso aos cuidados de saúde psicológica, levando as pessoas a adiar a procura de ajuda e, com elevados custos em termos do seu bem-estar e sofrimento psicológico. Felizmente, temos vindo a conseguir derrubar algumas destas barreiras.

Atualmente, existe, sem dúvida, uma maior abertura e receptividade por parte da população em geral e dos estudantes em recorrer a estes serviços. É uma evolução bastante positiva! É importante salientar que procurar ajuda é o mais importante e que a mesma pode assumir vários formatos metodológicos, dentro e fora da Universidade; o Serviço de Psicologia não impõe a sua intervenção, disponibiliza a mesma, e todos os que a procuraram tiveram resposta e possibilidade de decidir se este era o seu contexto que melhor se lhes adequava.

A saúde psicológica é algo extremamente importante na nossa vida, que não devemos descurar. A saúde psicologia é aquilo que nos permite ser produtivos e viver vidas com sentido e significado.

O antigo Presidente da Direção da Académica, Alex Faria, por várias vezes alertou para a existência de situações de esgotamento na nossa comunidade académica. Ricardo Bonifácio, o atual Presidente, tem insistido na aposta que deve ser feita para o melhoramento da Saúde Mental dos estudantes.

Da experiência do Serviço de Psicologia, que problemas de Saúde Mental constituem maiores fatores de risco entre os estudantes na UMa?

Os estudantes universitários, tal como indicam vários estudos, constituem um dos principais grupos de risco para aparecimento e desenvolvimento de perturbações psicológicas. Somos sistemas complexos, e os problemas de saúde psicológica também são complexos e as suas causas também o são.

Neste sentido, são vários os fatores que podem constituir fatores de risco, como por exemplo: pressão académica, expetativas elevadas e desajustadas a realidade, preocupação relativamente ao futuro e ao mercado de trabalho, problemas e conflitos familiares e interpessoais, consumos e dependências, contexto sociocultural em que vivemos de maior complexibilidade, instabilidade e imprevisibilidade, entre outras. As características dos estudantes acompanhados pelo Serviço de Psicologia vão ao encontro dos dados acima referidos.

O inquérito da Académica totalizou 85 estudantes que afirmaram já ter sido vítimas de algum tipo de violência (incluindo violências verbal e física) ou de assédio (inclusive de natureza moral ou sexual). 30,8% indicaram não ter reportado o episódio por desconhecimento da entidade a quem deveria fazê-lo e 21,5% indicaram que o terem feito por vergonha.

Que papel pode ter o Serviço de Psicologia na mitigação destes problemas?

É fundamental continuar a apostar na promoção do bem-estar psicológico e na construção da resiliência individual e da comunidade académica para melhor lidar com desafios e as adversidades. Importa, igualmente, continuar a investir na criação de espaços de interação social saudáveis no contexto académico, assente na empatia, respeito pelo outro, aceitação da diferença e da diversidade e solidariedade, de forma a que as pessoas podem sentir seguras, aceites e válidas e que sejam espaços promotores bem-estar psicológico. Nestes espaços seguros, podem ser abordadas temáticas como as acima referidas, fomentando a literacia psicológica e o conhecimento dos serviços da comunidade, como está previsto no âmbito do projeto wellBEINGUMa.

Entrevista conduzida por Carlos Diogo Pereira.
ET AL.
Com fotografia de Fabian Møller.