Papel da música no desenvolvimento humano

Sabe-se também que a exposição precoce à música além de facilitar a emergência de talentos, contribui para a construção de um cérebro biologicamente mais conectado.

O aparecimento do ser humano veio trazer uma nova interpretação e associação desta à linguagem universal e criativa que conhecemos nos tempos de hoje.

Quando confrontados os efeitos positivos que a música exerce sobre o desenvolvimento humano, são inúmeros os progressos que têm ocorrido nas últimas décadas sobre esta temática, tendo sido efectuados vários estudos que visam a monitorização do cérebro em tempo real, através do uso de ressonâncias magnéticas e tomografias que permitem associar a execução de actividades, como ouvir música ou tocar um instrumento, a áreas cerebrais específicas.

​De modo a ser possível compreender de que maneira a música afecta o cérebro humano, é importante saber que este se encontra dividido em dois hemisférios, o direito que é responsável pela criatividade e pela subjectividade e o esquerdo que exerce funções objectivas, lógicas e racionais. Apesar de opostos, ambos os hemisférios são extremamente importantes para o equilíbrio das funções humanas.

​Qualquer um de nós já experienciou o impacto emocional e terapêutico que a música pode ter. Além desta ser capaz de alterar o nosso humor, é também capaz de, através do seu ritmo e timbre, aumentar ou diminuir o nosso ritmo cardíaco. Mas será que em termos cerebrais existe uma diferença entre ouvir música e tocar um instrumento musical?

Quando comparados os indivíduos que ouvem música e os que tocam instrumentos musicais, as áreas cerebrais desenvolvidas são apesar de semelhantes muito distintas. Enquanto os indivíduos que ouvem música desenvolvem mais o hemisfério direito, ou sejam adquirem mais capacidades criativas, os indivíduos que tocam instrumentos musicais desenvolvem ambos os hemisférios cerebrais, activando várias áreas cerebrais que são essenciais para a cognição social humana, adquirindo, assim, uma maior capacidade para resolverem problemas sociais ou académicos de forma mais efectiva e criativa.

Relativamente ao crescimento e desenvolvimento cerebral, sabe-se, também, que a exposição precoce à música além de facilitar a emergência de talentos, contribui para a construção de um cérebro biologicamente mais conectado, fluido, emocionalmente competente e criativo, sendo que crianças em ambientes sensorialmente enriquecedores apresentam respostas fisiológicas mais amplas e maior actividade das áreas cerebrais associadas.

A música influencia o desenvolvimento humano de uma forma esplêndida, sendo capaz de estimular e fortalecer capacidades sociais, racionais e criativas, não acredita? Então experimente! Uma dose de música diária pode fazer toda a diferença.

Ester Caldeira
Estudante da UMa

OS NOSSOS PARCEIROS
A NOSSA EQUIPA