“O primeiro trabalho, cientificamente realizado no âmbito da História, sobre a Revolução do 25 de Abril na Madeira”

A afirmação do historiador Nelson Veríssimo é sobre a obra O “25 DE ABRIL” NA MADEIRA: TENSÕES SOCIAIS E POLÍTICAS EM 1974-75, À LUZ DA IMPRENSA REGIONAL, da autoria de Lino Bernardo Calaça Martins.
O “25 DE ABRIL” NA MADEIRA: TENSÕES SOCIAIS E POLÍTICAS EM 1974-75 À LUZ DA IMPRENSA REGIONAL, de Bernardo Calaça Martins, é editado pela Imprensa Académica, uma das editoras da ACADÉMICA DA MADEIRA.

A Imprensa Académica, continuando a sua obra de valorização da produção literária e científica dos investigadores, apresenta a obra O “25 DE ABRIL” NA MADEIRA: TENSÕES SOCIAIS E POLÍTICAS EM 1974-75, À LUZ DA IMPRENSA REGIONAL que constitui, com ligeiras alterações, a tese de doutoramento do autor em Ilhas Atlânticas: História, Património e Quadro Jurídico-Institucional, pela Faculdade de Artes e Humanidades da Universidade da Madeira, orientada pelo Doutor Nelson Veríssimo, e cujas provas públicas decorreram em fevereiro de 2023.

O “25 DE ABRIL” NA MADEIRA: TENSÕES SOCIAIS E POLÍTICAS EM 1974-75 é o primeiro trabalho histórico com rigor académico e científico realizado sobre a Revolução do 25 de Abril na Madeira. Como refere o autor, «A pretensão deste trabalho académico é contribuir para um melhor conhecimento científico e a compreensão histórica do “25 de Abril” na Madeira e no Porto Santo, tendo em consideração a existência de poucos estudos sobre esta temática a nível regional». O prefaciador e orientador da tese de doutoramento, Doutor Nelson Veríssimo, corrobora esta opinião e vai mais longe, afirmando: «Finalmente, vem a lume uma monografia histórica sobre o 25 de Abril na Madeira. Derruba-se, assim, uma espécie de barreira que, se não impedia, pelo menos não incentivava o estudo de um período revolucionário, no qual se forjaram as mudanças estruturais da sociedade madeirense contemporânea». De facto, a leitura da obra permite conhecer melhor a transformação socioeconómica, política e cultural da Madeira que se deu com o fim do Estado Novo por causa da Revolução do 25 de Abril de 1974.

Apoiando-se sobretudo na imprensa escrita da época, cujos exemplares estão depositados no Arquivo e Biblioteca da Madeira e podem ser consultados online pelos leitores, o autor conseguiu uma recolha importantíssima de documentos que são hoje muito difíceis ou impossíveis de encontrar, como por exemplo, os comunicados de partidos, sindicatos, associações e grupos de cidadãos, que foram publicados integralmente nas páginas dos jornais. A partir da recolha e da análise deste material, Bernardo Martins conseguiu construir um relato e retrato históricos de muito rigor para a compreensão do debate e das lutas políticas durante o período revolucionário na Madeira.

“O que pode a poesia para o conhecer e tornar mais justo?”

FÁBULAS, de João Cabral do Nascimento, é o n.º 11 da coleção ILUSTRES (DES)CONHECIDOS, com a edição literária e o posfácio de Ana Salgueiro, além do prefácio de Catarina Claro. Trata-se, de acordo com a editora literária, do “último livro integralmente constituído por poemas inéditos de Cabral do Nascimento”. Quem

A obra descreve as movimentações populares e as dinâmicas associações e movimentos de cidadãos, a ação dos órgãos de poder e as suas alterações estruturais, a atitude da Igreja Católica, comprometida politicamente com a direita conservadora, a ação dos partidos políticos e dos meios de comunicação social, não esquecendo os atos terroristas ocorridos e as reivindicações da autonomia.

Um maior e melhor conhecimento da «Revolução dos Cravos» pelo jovens alunos da Região nunca deixou de ser também um objetivo do autor, que já foi professor, e tem sido convidado a fazer conferências nas escolas. Na sua opinião, «O trabalho que tem sido promovido pelos professores nas suas escolas deve ser ampliado e complementado com mais conferências, conversas e debates, dando oportunidade a testemunhos do período revolucionário. Obviamente, que a publicação de trabalhos académicos é fundamental para a divulgação do património de Abril junto dos mais novos».

Lino Bernardo Calaça Martins é natural de Machico e aí residente. É Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (1983), Doutor em Ilhas Atlânticas: História, Património e Quadro Jurídico-Institucional (2023) e Mestre em Estudos Regionais e Locais pela Faculdade de Artes e Humanidades (2016), ambos os graus conferidos pela Universidade da Madeira. Foi professor do ensino secundário (1977-1979; 1983-1990), presidente da Câmara Municipal de Machico (1998-2001), deputado da Assembleia Legislativa da Madeira (1992-1998 e 2002-2011), presidente do Grupo Parlamentar do Partido Socialista (2005-2007). Coordenador do livro Machico, a sua história e a sua gente, editado pelo Departamento de Iniciativas Culturais da Junta de Freguesia de Machico (1978), foi autor da obra O 25 de Abril em Machico: Centro de Informação Popular de Machico, editado pela Câmara Municipal de Machico (2017) e autor da exposição documental «Memórias do 25 de Abril no concelho de Machico» (2016). Tem sido preletor em diversas conferências e debates sobre a temática da «Revolução dos Cravos».

O peso da liberdade

Como já dizia o meu pai, “só quem esteve preso é que reconhece o peso da liberdade.” (embora ele mesmo haver garantido nunca ter visto o sol aos quadrados). Eis como os próprios filhos de Abril estão a assistir à queda da Democracia moderna em Portugal, e, mesmo assim, escolhem

Depois de apresentar cinco obras na 50.ª edição da Feira do Livro do Funchal, a IMPRENSA ACADÉMICA, uma chancela editorial da ACADÉMICA DA MADEIRA, apresenta o seu primeiro lançamento da primavera de 2024. Em produção, as editoras da ACADÉMICA DA MADEIRA têm mais dez lançamentos até dezembro. A IMPRENSA ACADÉMICA tem o propósito de fomentar o processo de investigação e a divulgação científica desenvolvida pelas instituições de Ensino Superior, nomeadamente pela Universidade da Madeira. Através das suas publicações, promove a disseminação de trabalhos de investigadores madeirenses, portugueses e de todo o mundo ao grande público, promovendo a leitura e literacia. Ao adquirir as suas obras, o leitor está a contribuir também para o desenvolvimento de programas de apoio social e de voluntariado para centenas de jovens na Madeira.

Timóteo Ferreira
ET AL.
Com fotografia da capa idealizada por Pedro Pessoa.