UMa já atribuiu centenas de bolsas de estudo

Em entrevista à Antena 1 Madeira, o administrador da Universidade da Madeira (UMa) indicou que a instituição atribuiu 700 mil euros em 400 bolsas de estudo no início de setembro.

No início do mês, publicámos uma notícia do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior que indicava a atribuição de 5862 bolsas a estudantes de várias instituições. A 11 de setembro, a Antena 1 Madeira noticiou que cerca de 400 estudantes da Universidade da Madeira concluíram com sucesso a candidatura a este apoio, beneficiando dele. Desses, adiantou o canal, 170 candidataram-se pela primeira vez este ano, sendo um número inferior ao do ano passado, mas que pode aumentar até ao final deste mês.

“Nós já temos 700 mil euros já atribuídos, ou seja, com processos já deferidos, […] que já é um número superior face ao período homólogo do ano passado”, indicou à rádio Ricardo Gonçalves, administrador da UMa e dos seus Serviços de Ação Social. “Já temos sensivelmente 400 bolsas despachadas com estes mecanismos automáticos e com o chamado processo de contratualização de bolsa”.

A Residência Universitária, na rua de Santa Maria, disponibiliza 182 camas já ocupadas, com 30 alunos em lista de espera. Para já, se alguns estudantes, com lançamento de notas da época especial, conseguirem concluir os seus cursos poderão “vagar uma das camas e aí podemos repescar alguns dos estudantes que possam estar na tal lista a aguardar vagas”, explicou o administrador.

Ainda em setembro, foram divulgados os resultados da 2.º fase. Segundo nota do ministério, “foram colocados 8190 estudantes, 76% dos quais foram colocados nas três primeiras opções”. Na UMa, foram colocados 67 estudantes. Para a terceira fase, restaram 58 vagas, fruto dos estudantes que não se matricularam, sendo que as matrículas terminaram a 25 de setembro.

Apelo à Luta dos Estudantes: Reforço da Ação Social Escolar

A Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa realizou, a 15 de dezembro, uma conferência de imprensa com os subscritores do documento “Apelo à Luta dos Estudantes: Reforço da Ação Social Escolar”.

Sobre as vagas não ocupadas na última fase, Custódia Drummond referiu que “caso não sejam ocupadas, nós temos candidatos dos nossos concursos especiais, pessoas que concorreram e que não pudemos colocar nalguns cursos e  que vamos tentar colocá-las”, explicou em entrevista à radio a dirigente para os Assuntos Académicos. Não havendo candidatos a essas vagas, “também podemos aumentar vagas na terceira fase, ou inclusivamente abrir editais suplementares para alguns concursos especiais, nomeadamente para quem tem já um curso superior, ou quem quer fazer uma mudança de curso”.

Carlos Diogo Pereira
ET AL.
Com fotografia de Tim Mossholder.