Uma homenagem merecida aos nossos campeões. Nuno, João, Adriana e António foram reconhecidos pelos estudantes, mas ainda não recebem os apoios merecidos

Reforçando que "o espírito académico não está apenas nas atividades lúdicas", o Presidente da Direção da ACADÉMICA DA MADEIRA liderou a homenagem aos atletas universitários. Continuam a faltar apoios para que a representação da Universidade da Madeira possa existir com a dignidade que merece.
Em setembro de 2023, a ACADÉMICA DA MADEIRA prestou homenagem aos campeões universitários da época 2022-2023.

Em agosto, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) indicou um “aumento de 10,7% em comparação com as dotações base para o Ensino Superior definidas no Orçamento de Estado para 2023”, prevendo que, para 2024, a “proposta de Orçamento do Estado (OE) prevê que a dotação das IES tenha um crescimento de 5,3% face à dotação ajustada de 2023”.

A variação orçamental, seja positiva ou negativa, não tem impacto no desporto universitário na Universidade da Madeira (UMa). Ano após ano, a universidade continua sem verbas para promoção da saúde física e mental dos estudantes. Sobre a participação desportiva, os atletas que representam a Universidade da Madeira (UMa) continuam a ser os principais financiadores da sua participação nacional.

Em setembro, a Sessão de Boas-Vindas aos Estudantes serviu para prestar homenagem aos estudantes que, no ano lectivo 2022-2023, foram premiados nas competições universitárias nacionais.

No atletismo, Nuno Pereira competiu, em março, nos 3000 metros e conseguiu uma medalha de ouro com a marca de 08:04.59, tornando-se campeão nacional universitário. Adriana Viveiros, nos 3000 metros, competiu com oito atletas do Porto, de Lisboa, de Setúbal e de Coimbra. Numa competição muito renhida, a atleta atingiu o pódio com a medalha de bronze e a marca de 14:27.26. Nos 5000 metros marcha, João Olim competiu com atletas da Beira Interior. O atleta sagrou-se campeão nacional universitário com a marca de 25:48.72.

No verão, com a marca de 3:41.46, Nuno Pereira participou nos Jogos Mundiais Universitários da FISU Chengdu e terminou a prova dos 1500 metros conseguindo a 5.ª melhor marca mundial.

Em junho, António Ribeiro, atleta do Centro Treino Mar e estudante da Universidade da Madeira, consegui a medalha de ouro no Campeonato Nacional Universitário de Canoagem.

Numa cerimónia que contou com presença do Reitor da UMa, os quatro atletas receberam uma homenagem da ACADÉMICA DA MADEIRA. Tendo que arcar com as suas deslocações aéreas, despesas de hospedagem e alimentação, com o apoio das suas associações e clubes, os atletas são um retrato das dificuldades que o desporto, em particular o universitário, continua a viver em Portugal.

Segundo Ricardo Freitas Bonifácio, Presidente da Direção da ACADÉMICA DA MADEIRA, “o desporto continua a ser uma área em que a ação social escolar não recebe dotação do Orçamento do Estado”. Para o líder estudantil, “o governo está a financiar programas contra o abandono escolar e as desistências, para promoção do sucesso escolar, mas esquece que a saúde física e mental são fundamentais. Nesse campo, a ação social escolar poderia desempenhar um papel que não faz, pois não tem uma dotação adequada e regular”.

A existência de programas intermitentes, sem a “robustez que as dotações regulares podem dar”, prejudica o combate aos fenómenos que são o destino desses programas, na visão do dirigente. “Os programas deveriam atribuir dotações suplementares, o que não acontece. Neste momento, instituições como a UMa dependem desses envelopes financeiros para execução das primeiras medidas de combate ao abandono escolar e à desistência”, refere Ricardo Freitas Bonifácio.

Luís Eduardo Nicolau
ET AL.
Com fotografia de Pedro Pessoa.