Procurar
Close this search box.

Javier González estudou métodos bioquímicos para a remoção de glucose de misturas de açúcares prebióticos

Javier é um jovem estagiário oriundo da Galiza (Espanha) que, ao abrigo do programa Erasmus+ na Universidade da Madeira, trabalhou no Centro de Química da Madeira (CQM), unidade de investigação apoiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.
Javier González, licenciado em engenharia de Química Industrial pela Escola de Engenharia Industrial da Universidade de Vigo, realizou um estágio Erasmus+ no Centro de Química da Madeira.

Javier González licenciou-se em Engenharia de Química Industrial pela Escola de Engenharia Industrial da Universidade de Vigo, na Galiza (Espanha). Desde novembro, esteve a realizar um estágio Erasmus+ no CQM sob a direção de Paula Castilho, docente da UMa e investigadora daquela unidade de investigação, ao abrigo do projecto de investigação PREMIUM.

Investigadores do Centro de Química da Madeira no topo mundial

Seis investigadores do Centro de Química da Madeira (CQM) destacaram-se na seriação que a Universidade de Stanford faz há três anos. A Universidade da Madeira (UMa), através do trabalho dos investigadores do CQM, volta a destacar-se no cenário internacional com seis investigadores do Centro a figurar na posição cimeira dos

Estágios de Verão

Uma Aposta Estratégica nos Estudantes do Ensino Superior O Governo Regional da Madeira tem priorizado, ao longo dos sucessivos mandatos, uma

LER MAIS...

No laboratório de Química Orgânica e Produtos Naturais no Campus Universitário da Penteada, Javier estudou métodos bioquímicos para a remoção de glucose de misturas de açúcares prebióticos, aumentando assim a sua atividade.

Estudaste engenharia de química industrial, contudo neste estágio no CQM trabalhaste na área da química alimentar, em meio académico, não industrial. Sentiste que a tua preparação foi suficiente para as tarefas que vieste desempenhar?

Acho que sim. Foi suficiente a minha preparação. Claro que em termos teóricos eu estava atrás de outros investigadores, mas acrescentei ao meu trabalho habilidades e métodos aprendidos durante a minha licenciatura distintos das que podem ter os meus colegas. Também acho que é parte do meu estágio ter que me adaptar, aprendendo a usar equipamentos que antes não conhecia e intercambiando conhecimento e formas de trabalhar com o meu supervisor (Gonçalo).

Qual a importância do teu estudo e do trabalho que foi desenvolvido?

Bem, eu trabalho purificando misturas de açúcares complexos, aumentando o seu potencial prebiótico. Isto é importante devido aos benefícios destes compostos para o nosso sistema digestivo e portanto, para a nossa saúde. Além disso, no NATLAB, o laboratório onde fiz o estágio, sempre se tentam cumprir os objetivos realizando experiências sustentáveis: aproveitando resíduos, minimizando a energia gasta… Portanto no meu trabalho, junto com o trabalho do Gonçalo, conseguimos obter estes compostos tão importantes para a saúde só com resíduos de outros processos industriais e com um gasto de energia mínimo.

Terminando o estágio Erasmus+, qual é a próxima etapa no teu percurso profissional? Em que medida é que a experiência adquirida será importante para o teu futuro?

Depois deste Erasmus eu realizarei um mestrado em matemáticas industriais, na Universidade de Santiago de Compostela. Embora não tenha que ver muito com a química (a área deste estagio), acho que o estágio terá ajudado muito para o bom curso do mestrado. Aqui aprendi coisas que serão úteis em toda a minha futura carreira professional. Para a investigação é preciso ser muito previdente e organizado. Os supervisores ajudam-te em coisas pontuais, mas és tu quem tens que resolver os pequenos problemas surgidos durante as experiências, procurar informação, fazer calenderização, reservar e partilhar equipamentos…

É uma experiencia muito diferente de estudar, já que quando estudas tens muita supervisão e muitos colegas com os quais partilhas o mesmo objetivo. Aqui, cada um tem os seus e, em geral, cada qual tem que conseguir a alcançar os seus no tempo acordado.

Os estágios Erasmus+ estão abertos “a qualquer estudante matriculado numa instituição de ensino superior titular de uma Carta Erasmus+ para o Ensino Superior” e devem ser relevantes “para as necessidades de aprendizagem e de desenvolvimento pessoal relacionadas com o grau do estudante e estar integrado no programa de estudos”.

Podes realizar um estágio Erasmus+ “em qualquer organização […] em qualquer parte do mundo (com exceção das instituições, organismos e agências da UE)”. Consulta o guia do programa Erasmus+ e, se és estudante UMa, contacta a Unidade de Projetos e Cooperação.

O projecto PREMIUM já foi notícia no nosso portal, tanto pelo envio de investigadores da UMa para o estrangeiro, como pelo acolhimento de investigadores de outras instituições. O projecto tem como objectivo o aumento da vida útil de bactérias lácticas pelo uso de oligossacáridos (açúcares) e utilizando metodologias com baixo impacte ambiental.

Entrevista conduzida por Carlos Diogo Pereira
Fotografia de Pedro Pessoa.

DESTAQUES