Combate e prevenção à dengue

Um dos problemas que está a preocupar a população na ilha da Madeira é a Dengue. Face a esta situação a associação académica da Universidade da Madeira, está a organizar um projecto denominado “Combate e Prevenção à Dengue.” Este projecto vem no contexto do Programa Juventude em Ação e visa abordar como temas principais a saúde e a consciência europeia, indo ao encontro dos objectivos do programa da União Europeia através do desenvolvimento da cidadania activa dos jovens, do estímulo do trabalho de equipa, do debate de ideias e a criatividade dos jovens, o aprofundamento dos conhecimentos da doença, as medidas preventivas e de combate à mesma.

Segundo a fonte, Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais, o mosquito Aedes aegypti é um potencial vector de doenças, como o dengue e a febre – amarela, sendo por esta razão foco de atenção na Saúde Pública. A probabilidade de transmissão de doenças exige a presença de mosquitos e de pessoas infectadas, numa determinada área geográfica. A prevenção é a principal acção para controlar a sua proliferação, eliminando todos os ambientes favoráveis à sua reprodução. As medidas de saneamento ambiental representam o meio mais eficaz no controle dos mosquitos sendo uma responsabilidade colectiva. Em relação ao ambiente, deverão ser tomadas precauções individuais.

A presença do mosquito Aedes aegypti foi registada pela primeira vez na ilha da Madeira, em 2005, após muitos relatos da população da freguesia de Santa Luzia, sobre prurido e pápulas cutâneas e que eram relacionadas com picadas de mosquito. Foi implementado um programa de controlo constituído por acções de sensibilização junto da população para redução dos criadouros.

O Aedes aegypti é extremamente comum em áreas sem sistemas de água canalizada, e precisa na maior parte das vezes dos depósitos de água para por os seus ovos. As fêmeas necessitam de sangue para produzir os seus ovos. Os contentores artificiais ou naturais, que estejam dentro ou próximos dos locais de habitação são os habitats ideais para este mosquito. Este mosquito é mais activo aproximadamente duas horas após o nascer do sol e várias horas antes de o por-do-sol, mas também pode picar durante a noite, sendo que, pode picar as pessoas sem que estas se apercebam porque se aproxima por trás e pica sobretudo tornozelos e cotovelos.

Neste sentido, segundo a associação académica o projecto irá responder ao interesse e às necessidades dos seus participantes, procurando desenvolver novas aptidões e conhecimentos. Serão utilizados vários métodos de trabalho, tais como o trabalho em equipa, a divisão de funções, a cooperação, a recolha de informação, as acções de campo, e a permanente troca de ideias e pontos de vista entre os jovens participantes. Serão realizadas quatro sessões de trabalho, nas quais engloba as seguintes questões: O que é a Dengue; Medidas preventivas e combate à Dengue; Elaboração de dispositivos de combate à Dengue; Locais de risco e de propagação da Dengue.

Cristina Teixeira

OS NOSSOS PARCEIROS
A NOSSA EQUIPA