Conselho de Associações Académicas Portuguesas representará 80 mil estudantes

Conselho de Associações Académicas Portuguesas representará 80 mil estudantes

Este artigo tem mais de 1 ano

Portugal reuniu nove estruturas associativas num conselho nacional que pretende assegurar a cooperação das Associações Académicas. O país não possui uma estrutura nacional que reúna o movimento estudantil nacional, que está disperso em federações, associações e, agora, no novo Conselho. Das 13 universidades públicas portuguesas, oito estão nele representadas.

O Funchal recebeu, a 24 de março, as celebrações do DIA NACIONAL DO ESTUDANTE com uma cerimónia na Universidade da Madeira. Em Aveiro, os Presidentes de nove Associações Académicas Portuguesas formalizam a criação do Conselho de Associações Académicas Portuguesas (CAAP).

O Presidente da Direção da ACADÉMICA DA MADEIRA, Ricardo Freitas Bonifácio, participou do ato de constituição do CAAP, estrutura que reunirá as associações académicas de oito universidades públicas portuguesas, representando 80 mil estudantes. Integram-no as estruturas associativas das universidades da Madeira, dos Açores, do Algarve, de Aveiro, da Beira Interior, de Évora, do Minho e de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Sexta é o primeiro sarau de outubro dos FATUM

Sexta-feira, 13 de outubro, a partir das 21:00, o Colégio dos Jesuítas do Funchal acolhe mais um sarau de Fado de Coimbra pelos FATUM, o grupo de fados da ACADÉMICA DA MADEIRA. A entrada será gratuita para todo o público que queira ter um serão em serenata.

O CAAP pretende assegurar a cooperação das Associações Académicas que integram a estrutura e “dinamizar reivindicações de políticas nacionais para o Ensino Superior e propor soluções que sejam acordadas e consideradas adequadas”, como previsto nos seus Estatutos. Além disso, vai “pronunciar-se sobre questões, direta ou indiretamente, ligadas à frequência de estudantes no Ensino Superior, nomeadamente: ação social, atividade letiva, financiamento das Instituições de Ensino Superior e respetivos Serviços de Ação Social, estatutos especiais de estudantes, políticas desportivas e culturais, entre outros que o CAAP venha a considerar relevantes”.

“dinamizar reivindicações de políticas nacionais para o Ensino Superior”

Ricardo Freitas Bonifácio destaca a união de oito Associações Académicas numa estrutura inédita do movimento associativo universitário, “sem paralelo na História universitária”. De acordo com o líder estudantil, “vivemos tempos difíceis na Europa, com a eclosão de extremismos em vários Estados, sendo especialmente importante que, em Portugal, o movimento estudantil possa encontrar consensos e congregar-se numa estrutural plural e representativa de tantos estudantes”.

Para o Presidente da Direção da ACADÉMICA DA MADEIRA, o CAAP surge num momento importante para fomentar a união do movimento associativo “que deve estar preparado para responder com união perante os desafios do presente e do futuro”.

DIA NACIONAL DO ESTUDANTE assinala reivindicações do movimento estudantil

Os apoios sociais continuam a ser insuficientes, como refere a ACADÉMICA DA MADEIRA, ao citar que “descontado o valor pago em propinas, o estudante usufrui de 14,50€ de bolsa para a alimentação, o alojamento, o material escolar, o transporte e tudo o mais que precisar”. A data de luta e reivindicação também é marcada pela criação do Conselho de Associações Académicas Portuguesas, representando 80 mil estudantes.

Integram o CAAP, na qualidade de fundadores, a Associação Académica da Universidade dos Açores, a Associação Académica da Universidade do Algarve, a Associação Académica da Universidade de Aveiro, a Associação Académica da Universidade da Beira Interior, a Associação Académica da Universidade de Évora, a Associação Académica da Universidade da Madeira, a Associação Académica da Universidade do Minho e a Associação Académica da Universidade de Trás os Montes e Alto Douro.

Luís Eduardo Nicolau
ET AL.
e fotografia de Scott Webb.