Gaudeamus: regozijemo-nos enquanto somos jovens

Gaudeamus Igitur também conhecido como De Brevitate Vitae é um hino universitário baseado na obra do filósofo Séneca intitulada “Sobre a brevidade da vida”. Esta expressão de origem latina dará nome à loja Académica da AAUMa que funcionará, a partir deste mês, no piso 0 da Universidade da Madeira.

Entender o estudante como um indivíduo que leva uma vida boémia e despreocupada é uma prática comum. O facto de este aproveitar a vida como se não existisse amanhã é habitualmente criticado pela sociedade. Contudo, desde a Antiguidade, esta forma de vida, livre, descontraída e de pleno carpe diem é uma prática defendida pelos pensadores. Aprender a viver bem é diferente de viver muito. Séneca defendia que o homem deveria aprender a viver por toda a vida e, por mais surpreendente que fosse, a vida seria sempre apenas um aprender a morrer.

Com base nestes pressupostos, no séc. XVIII (se bem que existe um manuscrito em latim religiosamente guardado na Biblioteca de Paris datado do séc. XII), surgiu o poema que ainda hoje constitui o hino oficial e semioficial de escolas, universidades, instituições e associações estudantis de que é exemplo a Associação Europeia do Desporto Universitário.

Apelando ao viver bem porque a vida é breve, o poema invoca a morte e a sua inevitabilidade e sugere que se aproveite, em todos os aspectos, o que de melhor temos ao nosso alcance.

Durante muitos anos, em Portugal, este hino académico era entoado em momentos solenes universitários nomeadamente em cerimónias de celebração de término de Licenciaturas, de Mestrados e, ainda, de Doutoramentos. Actualmente este protocolo encontra-se ultrapassado bem como a visão de que o estudante universitário tem um papel importante no desenvolvimento local e nacional, na promoção dos ideais de justiça e de prosperidade, na promoção cultural e científica, no desenvolvimento económico e na participação cívica activa.

Não obstante a mudança de mentalidades, natural, esperada e, até certo ponto condenável, deixamos aqui o registo deste grandioso hino. No sentido de dar-lhe uma nova vida e contribuir para a sua imortalidade, nada mais apropriado do que Gaudeamus para denominar o novo espaço comercial da AAUMa, que pretende criar um espaço de identificação colectiva, valorizando a marca Universidade da Madeira.

Gaudeamus igitur
Juvenes dum sumus.
Post jucundam juventutem
Post molestam senectutem
Nos habebit humus.
Ubi sunt qui ante nos
In mundo fuere?
Vadite ad superos
Transite in inferos
Hos si vis videre
Vita nostra brevis est
Brevi finietur.
Venit mors velociter
Rapit nos atrociter
Nemini parcetur
Vivat academia!
Vivant professores!
Vivat membrum quodlibet
Vivant membra quaelibet
Semper sint in flore.
Vivant omnes virgines
Faciles, formosae.
Vivant et mulieres
Tenerae amabiles
Bonae laboriosae.
Vivat et respublica
et qui illam regit.
Vivat nostra civitas,
Maecenatum caritas
Quae nos hic protegit.
Pereat tristitia,
Pereant osores.
Pereat diabolus,
Quivis antiburschius
Atque irrisores.

–––––––––––––––––––––––––––––––

Alegremo-nos, portanto,
Enquanto somos jovens.
Depois de uma vida prazenteira,
Após uma velhice doente,
A terra nos acolherá.
Onde estão os que, antes de nós,
No mundo estiveram?
Procurem no Céu,
Mergulhem no Inferno,
Se os quiserem ver.
Nossa vida é breve,
Logo findará.
A morte vem rápida,
Arrebata-nos atrozmente
Sem ninguém poupar.
Viva a academia!
Vivam os professores!
Viva cada estudante!
Vivam todos os estudantes!
Estejam sempre no ápice!
Vivam todas as virgens,
Fáceis e formosas!
E vivam também as matronas,
Ternas e amáveis,
Boas, laboriosas.
Viva a nação
E quem a governa!
Viva nossa cidade
E a caridade dos nossos patronos
Que aqui nos protegem!
Morra a tristeza!
Morram os odientos!
Morra o demónio,
Os que são contra os estudantes
E os que zombam de nós!

Andreia Nascimento
Directora de Comunicação da AAUMa

OS NOSSOS PARCEIROS
A NOSSA EQUIPA