Investigadoras japonesas escolhem entre a ciência e o casamento

Investigadoras japonesas escolhem entre a ciência e o casamento

A agência informativa Reuters publicou ontem um artigo de Mariko Katsumura indicando que no Japão há um estigma cultural de que as meninas inteligentes não boas para casar. Tóquio tenta convencer as universidades nipónicas a admitirem mais mulheres a bem da economia nacional.

São Paulo em vez dos Efésios podia ter pregado aos Nipónicos “Mulheres sujeitem-se aos vossos maridos, como ao Senhor”, pois parece que para os japoneses mulher inteligente não dá boa esposa.

Um dos países mais ricos e tecnologicamente desenvolvidos do mundo, o Japão enfrenta um grave problema demográfico. Entre outras tendências, maior parte dos jovens prefere o sexo virtual relacionar-se com uma parceira de carne e osso (e personalidade própria), como noticiou, já em 2013, a BBC News. Ontem, a agência Reuters publicou, uma notícia igualmente incrível que vem destacar a ambivalência do tecnologica e cientificamente muito avançado Império do Sol Nascente – as mulheres cientistas são vistas como más escolhas para casar.

Mariko Katsumura autora do artigo Smart girls don’t marry? Japan rushes to erase stigma for women in science, indica que apenas 16% de mulheres são estudantes universitárias nas áreas de Engenharia, Manufatura e Construção, ocupando o último lugar entre os países mais ricos nessa comparação. De igual forma, apenas um em cada sete cientistas nas universidades nipónicas é mulher.

Dada a tendência da verificada na União Europeia das mulheres terem menor apreço pelo estudo destas áreas do que os homens, poderíamos até considerar o fenómeno natural. Mas a verdade é que as mulheres japonesas têm realmente interesse académico nestas áreas, ocupando a segunda pontuação mais alta em matemática e a terceira nas áreas científicas no sentido estrito do termo, em toda a OCDE.

Investigadores manifestaram-se contra a falta de financiamento

A Alfândega do Porto acolheu, esta semana, o Encontro Ciência 2024, onde esteve Fernando Alexandre. À porta, o Ministro foi recebido por investigadores membros da ABIC que reclamavam por melhores condições no trabalho científico e no Ensino Superior em Portugal.

O problema é o resultado cultural, da escolha entre o coração e a carreira. Ao que parece, no país dos robôs ainda se acredita que é impossível uma engenheira ou uma cientista conciliar a vida profissional com a família e muitas mulheres decidem sacrificar a carreira por melhores hipóteses de virem a ter filhos.

Porém há uma crescente escassez de recursos humanos naquela que é a terceira maior economia tecnológica do mundo. O Japão necessita de empregar quase 800.000 trabalhadores tecnológicos e científicos até ao final desta década, correndo o risco de perder produtividade e competitividade, pela falta de inovação, incluindo em gigantes multinacionais como a Mitsubushi ou a Panasonic, que defendem o incentivo ao emprego científico para o sexo feminino.

Numa luta contra o tempo, o governo de Tóquio apelou às universidades que incentivem à entrada de mais mulheres nos seus cursos científicos e tecnológicos, havendo um dúzia de instituições a responder positivamente ao desafio. Entre as medidas tomadas, já para 2024, o Instituto de Tecnologia de Tóquio irá impor cotas para mulheres nas suas turmas, o que é uma reviravolta no país em que, em 2018, como indicou Katsumura, certas faculdades de medicina chegaram a reduzir as notas de acesso para favorecer a admissão de homens em vez de mulheres.

Carlos Diogo Pereira
ET AL.
Com fotografia de Jase Bloor.