A Internacionalização contra o isolamento académico

“Hoje, 70% dos nossos professores estrangeiros, entre os quais franceses, americanos, alemães e ingleses, estão proibidos de entrar na Palestina ou de ter qualquer contacto com a Universidade de Birzeit.”

Reproduzimos aqui, com autorização da Direção da Ensino Superior Revista do SNESup, sob pedido da ET AL., a terceira e última parte de um artigo publicado no seu número 76, relativamente às inseguranças e preocupações que a Universidade de Birzeit enfrenta, no que concerne à dignidade humana.

Mas todas estas violações que acabamos de citar não são o maior perigo perante a nossa liberdade académica, podemos colocá-las em segundo lugar. Em primeiro lugar, encontramos outro tipo de violação da liberdade académica, que é a interdição da entrada de professores estrangeiros na Palestina.

Desde os anos 70, a ocupação só tem visto a Universidade de Birzeit como uma ameaça à sua existência e sobrevivência. Porque simplesmente a entidade de Israel foi criada com base numa teoria que diz que não existe um povo palestiniano e que a população que aí vive não é mais do que uma minoria ignorante, um bando de pastores que não conhece nada da vida a não ser ordenhar vacas e ovelhas. Consequentemente, a luz que traz a Universidade de Birzeit e todas as universidades palestinianas é, sem dúvida, um perigo iminente que ameaça a existência da entidade de Israel. É por isso que a ocupação mobilizou todas as suas forças, os seus meios, recursos humanos e materiais para enfraquecer, se não mesmo erradicar esta universidade.

Os professores e os quadros da universidade estavam conscientes e atentos a esta estratégia israelita e encontraram um meio para fazer face a estas políticas e práticas, que era internacionalizar a universidade. Internacionalizá-la no sentido académico quer dizer abri-la sem limites à cooperação universitária internacional, recrutando professores estrangeiros, criando parcerias com universidades de todo o mundo e reforçando ainda mais a visibilidade da primeira universidade palestiniana.

Desde então, a universidade reforçou os seus laços um pouco por toda a Europa e Estados Unidos, mas sobretudo com a França. E em alguns anos, tornou-se um centro de atracção para professores e investigadores europeus e franceses, que encontraram ali uma atmosfera académica próspera, livre e muito aberta.

OS PROFESSORES INTERNACIONAIS SÃO AS PRIMEIRAS TESTEMUNHAS DA BARBÁRIE ISRAELITA

Mas muito rapidamente estes professores e investigadores começaram a sentir a injustiça em que vive o povo palestiniano, e a contestar a barbárie israelita e constituíram uma nova via de mediatização na Europa e na América, que desempenha um papel primordial, desmascarando os crimes da ocupação israelita contra o povo e as universidades palestinianas. Eles foram os portadores da realidade e os porta-vozes de Birzeit junto das suas universidades de origem, constituindo a ponte essencial que estabelecerá as parcerias e as convenções de cooperação entre Birzeit e as universidades francesas e europeias.

Esta missão não é simples nem fácil e deve transpor um grande número de obstáculos:

      • A indispensabilidade do pensamento de espírito solidário em relação ao povo palestiniano e em relação à universidade palestiniana. Sem este espírito, a universidade parceira apenas verá a universidade da Palestina como um parceiro, como os demais, o que vai pôr fim a esta cooperação antes mesmo de ela nascer. Alguns parceiros vão preferir estabelecer este género de parceria com universidades mais conhecidas e reputadas no Médio Oriente, na Turquia ou no Irão; outros irão insistir sobre
        o princípio da reciprocidade material, e outros, simplesmente, desistirão antes de começar a cooperação, porque têm medo do nome Palestina. Então, só aqueles que têm espírito de fraternidade e de solidariedade e sentimentos humanos continuarão com esta cooperação.
      • A ambiguidade e a desinformação: muitas universidades do mundo estão pouco informadas ou mal informadas sobre a causa palestiniana, sobretudo face aos motores da propaganda israelita, sendo difícil tornar a realidade visível. Este factor é extremamente perigoso e desempenha um papel negativo contra as universidades palestinianas.
      • A ocupação e as suas restrições sobre os académicos palestinianos e estrangeiros ligados à Universidade de Birzeit.

 

Os professores estrangeiros em Birzeit constituem uma boa percentagem do quadro de professores da universidade. Esta condição privilegiada alertou de forma muito perigosa a Entidade de Israel que rapidamente fez o máximo para nos retirar o direito de recrutar professores estrangeiros, mobilizando sempre as suas maldades atrozes para marginalizar as instituições académicas palestinianas. Foram, então, criadas restrições extremamente complicadas aos professores estrangeiros que trabalham na universidade de Birzeit, restrições que começam pelos vistos de curta duração (algumas semanas) e terminam com a deportação e interdição do acesso aos territórios palestinianos. Hoje, 70% dos nossos professores estrangeiros, entre os quais franceses, americanos, alemães e ingleses, estão proibidos de entrar na Palestina de ter qualquer contacto com a Universidade de Birzeit.

Durante o ano académico de 2018/2019, os israelitas exilaram vários professores das universidades, e obrigaram mesmo as suas famílias a deixar os territórios palestinianos. Um destes professores, que trabalha na universidade há 40 anos, mas tem dupla nacionalidade francesa e americana, foi expulso à força com a sua família e proibido de jamais pôr os pés nos territórios palestinianos. Este acto bárbaro quase causou prejuízo a doze programas académicos na universidade e deixou centenas de estudantes sem professores.

Esta política racista da entidade de Israel intensificou-se brutalmente em 2019, tendo sido ameaçados de exílio, doze professores estrangeiros, da universidade, com as suas famílias. Sete outros foram obrigados a deixar os territórios palestinianos definitivamente. Esta política coloca os professores estrangeiros numa situação de incerteza e de ambiguidade, tendo sempre o sentimento de que podem, a qualquer momento, ser obrigados a deixar o país.

Durante os dois últimos anos, apenas quatro professores obtiveram os vistos para entrar nos territórios palestinianos, mas tratou-se de vistos turísticos, quer dizer, por duas semanas, com a condição de que passem pela ponte Allenby, ou seja, passem primeiro pela Jordânia em vez de chegarem directamente ao aeroporto nos territórios ocupados. E são obrigados a depositar como garantia uma caução de 30 mil euros, que será accionada se ultrapassarem a duração legal do visto.

A SOLIDARIEDADE INTERUNIVERSITÁRIA, UMA ARMA IDEAL DE RESILIÊNCIA

“O objectivo final da entidade de Israel é isolar o povo palestiniano e as universidades palestinianas e separálas completamente do resto do mundo.”

Perante esta barbárie e a maldade israelita, a questão que se pode colocar é: porquê? Por que razão a ocupação israelita considera os universitários estrangeiros como um perigo potencial e uma ameaça contra a sua existência?

A resposta está na importância da solidariedade universal internacional. Esta colaboração institucional e individual entre as universidades e os universitários palestinianos, por um lado, e os seus homólogos internacionais, por outro lado, é a pedra angular da ponte de comunicação entre o povo palestiniano e os povos do mundo. Esta é uma forma exemplar para combater a política de Israel, que visa principalmente destruir a soberania académica das universidades palestinianas e destruir a sua capacidade de persistir.

O objectivo final da entidade de Israel é isolar o povo palestiniano e as universidades palestinianas e separá-las completamente do resto do mundo.

Em 2019 Birzeit entrou nos 3% das melhores universidades do mundo, na classificação QS. Esta classificação depende muito das avaliações dos professores e dos estudantes estrangeiros que estudam na universidade, e esse ponto tem sido alvo directo da Ocupação, colocando obstáculos à existência de professores e de estudantes estrangeiros em Birzeit, tentando impedi-los de exercer a sua missão de universidade internacional que preenche os critérios e os parâmetros internacionais.

Além disso, estas práticas impedem a universidade de alargar os campos de investigação que o seu quadro de investigadores tenta desenvolver e limitam a sua capacidade para a inovação e para a criatividade.

É verdade! A presença dos estudantes e dos professores estrangeiros é um verdadeiro perigo para os inimigos da realidade, aqueles que têm medo do livre pensamento académico, os que acreditam na superioridade racial. Os nossos colegas internacionais são os vivos testemunhos das práticas da barbárie israelita e transmitirão a verdadeira imagem aos seus colegas e instituições na Europa e no mundo inteiro. É neste âmbito que nós podemos dizer que os nossos parceiros universitários desempenham, ao mesmo tempo, um papel solidário para com o povo oprimido e realizam um acto de combate contra a barbárie israelita.

Saïd Khalil
Universidade de Birzeit, Palestina
Tradução de Maria Teresa Nascimento
Universidade da Madeira
Com fotografia de Ash Hayes.

OS NOSSOS PARCEIROS
A NOSSA EQUIPA