A saúde dos nossos animais

O Anaplasma spp é um hemoparasita intracelular transmitido pelas carraças, sendo responsável pelo aparecimento de um quadro clínico de trombocitopenia. Os sinais clínicos mais comuns são anorexia, letargia, perda de peso, hipertermia, anemia e depressão. Outros menos comuns incluem vómitos, diarreia, tosse e dificuldade respiratória. São também possíveis infecções sem sinais clínicos. As espécies que são patogénicas para cães incluem Anaplasma phagocytophila (anteriormente nomeada Ehrlichia phagocytophila), Anaplasma bovis e Anaplasma platys. O diagnóstico só é possível pela identificação microscópica de parasitas em esfregaços de sangue do animal infectado, por ELISA ou por PCR.

Cães com anaplasmose apresentam, frequentemente, os mesmos sintomas que aqueles com doença de Lyme (também chamada febre da carraça), e a infecção com ambos os agentes (co-infecção) não é incomum. Tanto os parasitas da doença de Lyme como da anaplasmose são normalmente encontrados na mesma localização geográfica e são transmitidos pelas mesmas espécies de carraças.

No caso da anaplasmose o tratamento envolve a utilização de um antibiótico (a doxiciclina), ou de um antiparasitário (o imidocarbe) e tem um bom prognóstico.
Apesar de ser considerada uma zoonose, a transmissão é feita apenas pela carraça e não directamente pelo animal de companhia.

A prevenção é fundamental para a erradicação de doenças transmitidas por carraças em regiões endémicas, através do controle de populações, em cães com a aplicação de desparasitantes externos específicos.

Raquel Estudante
SPAD – Funchal

Nota dos editores: o título original do artigo publicado era: “Anaplasma spp”.

OS NOSSOS PARCEIROS
A NOSSA EQUIPA