Chumbos implicam 93 casos indeferidos em pedidos de atribuição de bolsas na UMa

Chumbos implicam 93 casos indeferidos em pedidos de atribuição de bolsas na UMa

A alteração na legislação de atribuição de bolsas de estudo no presente ano letivo previa um alcance de até 4000 novos bolseiros a nível nacional. No entanto, tais valores não foram atingidos, em parte devido ao não aproveitamento académico dos requerentes.

No ano letivo de 2022-2023, novas medidas foram introduzidas no processo de obtenção da bolsa de estudo da Direção-Geral de Ensino Superior (DGES). Através de um incremento de 78€ ao limiar de elegibilidade e maior rapidez no procedimento de resposta aos requerimentos de pedido de bolsa, previa-se um acréscimo no número de candidaturas aprovadas, possibilitando até 3000 a 4000 novos bolseiros.

Ensino Superior discutido em Belém

Alex Faria, antigo Presidente da Direção da ACADÉMICA DA MADEIRA, escreve, no seu artigo mensal na imprensa regional, sobre o encontro do movimento estudantil com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

A nível nacional, dos 105.765 requerentes no presente ano letivo, número recorde nas candidaturas à bolsa de estudo, 25.817 alunos receberam resposta negativa. Destes, 10.448 pedidos foram rejeitados pela situação económica do estudante e 5735 por não aproveitamento académico.

91 alunos da UMa receberam indeferimento a pedido de bolsa de estudo da DGES no presente ano letivo por não aprovação académica

Na Universidade da Madeira (UMa), o panorama apresentou-se semelhante: das 1720 candidaturas, 91 alunos (5%) receberam indeferimento devido a não aproveitamento académico. É de ressalvar que, dos 91 alunos com processos indeferidos, 13 receberam apoio pelo Fundo de Apoio de Emergência, iniciativa dos Serviços de Ação Social da UMa.

Atualmente, a nova legislação implica aos requerentes um aproveitamento de 60% dos ECTS inscritos pelos candidatos e um rendimento per capita do agregado familiar de até 736€ brutos mensais. A bolsa de estudo atribuída este ano letivo é, em média, de 1230€ anuais, um incremento de 10% em relação ao ano letivo anterior.

Tiago Almeida
ET AL.
Com fotografia de Ernest Brillo.