Cábula de um estudante com os nervos em franja

No final de cada semestre, quase numa espécie de equação matemática, os momentos de avaliação multiplicam-se e a ansiedade do estudante tende a aumentar proporcionalmente. No entanto, para obteres o tão desejado sucesso académico deverás adicionar à equação a parcela das estratégias.

A ansiedade tende a aparecer em quase todas as equações da vida, principalmente nas situações em que sentes que não tens controlo ou recursos pessoais suficientes. É importante lembrar que não és afetado pelas situações em si, mas pela visão que tens sobre elas. Além disso, sentir alguma ansiedade nos momentos de avaliação é algo desejável, já que te permite manter ativo, focado e mais capaz.

Um dos momentos de avaliação mais desafiadores são as apresentações orais. Os estudantes geralmente ficam preocupados com a possibilidade de se sentirem embaraçados, de falhar ou de serem avaliados desfavoravelmente pelos professores e os colegas. Por vezes, estes pensamentos bloqueadores podem se manifestar através de: mãos frias e suadas, voz trémula, ritmo cardíaco acelerado, face corada e “brancas”. Como podes, então, adicionar a parcela das estratégias à equação de modo a puderes agir de forma diferente nas apresentações orais?

Antes de fazeres a apresentação oral aceita o desafio de questionares os teus pensamentos. Nota que quando os pensamentos são antecipatórios e negativos (“Não vou ser capaz”; “Não vão gostar do meu trabalho”) podem dificultar o teu desempenho nas tarefas. Por isso, substitui-os por outros mais capacitadores (“Vou fazer o melhor que sei”, “Vou preparar-me para estar à altura do desafio”) que te permitem enfrentar da melhor forma o teu momento de avaliação. Outras das estratégias eficazes que poderás utilizar é a respiração diafragmática que contribui para a diminuição e o controlo da ansiedade.

À medida que fazes a tua apresentação, não te concentres em ti (“O que as pessoas estão a pensar de mim?”, “Como é que eu estou a apresentar?”, “Os meus colegas acham que estou nervoso?”). Concentra-te sim na informação que estás a transmitir! Também poderás manter contato ocular com três ou quatro colegas que te reforcem positivamente e minimizar as pequenas falhas que possam ocorrer. Por fim, fala devagar e com naturalidade, articulando bem as palavras. Ah… Por favor, não te esqueças de sorrir!

Lembra-te sempre que nenhuma apresentação pode ser perfeita. Mas uma apresentação bem preparada irá ser apreciada e poderá dar um bom contributo para a tua nota final.

Um último comentário:

A ajuda existe! Ler sobre as dificuldades nos momentos de avaliação e as estratégias para lidar com elas não te faz sentir melhor: é preciso agir! Se depois de experimentares uma série de estratégias, continuares muito ansioso, procura a ajuda de um psicólogo. Tens o direito de investir em ti!

Serviço de Consulta Psicológica da UMa

OS NOSSOS PARCEIROS
A NOSSA EQUIPA