Monumental Serenata

Coimbra tem mais encanto
Na hora da despedida
Que as lágrimas do meu pranto
São a luz que lhe dá vida.

Milhares de versos escritos por diversos autores e que hoje são troados pelos cantores Coimbra e esta é uma das quadras que mais rapidamente vêm à mente de quem lembra este género musical português que em tudo está ligado aos estudantes.

Não se sabe ao certo como surgiu o Fado ou Canção de Coimbra, mas de uma coisa se tem a certeza os seus autores eram estudantes universitários que usavam o género para fins diversos, tais como amorosos, lúdicos e financeiros.

A palavra serenata, por seu lado, têm igual raiz latina que a palavra serão, período inicial da noite. Do ponto de vista musical, refere-se a qualquer pequena preparação musical destinada a ser apresentada num espaço exterior ao serão. Variando entre as que se destinavam a um instrumento ou a uma voz, até às que incluíam pequenas orquestras, as serenatas, sensu latu, eram muito populares entre a alta sociedade dos séculos XVII e XVIII, acabando por serem adoptadas pelos estudantes que pretendiam fazer as delícias de algum par de olhos bonitos, velados pelas sombras da noite.

No século XIX, as serenatas estudantis fundiram-se na tradição dos grupos musicais estudantis, deixando a imagem original do estudante-cantor único.

Já no século XX, mesmo com períodos de abandono da tradição, a serenata coimbrã evoluiu no sentido de colocar de parte a missão de corte a uma jovem mulher, alargando a temática das obras apresentadas até ao sentimento do próprio estudante, nascendo assim as baladas de despedida que passariam a ser dedicadas aos finalistas da Universidade, às escadas da velha Sé medieval, numa Serenata Monumental, no início da Semana Académica.

Actualmente, a par de Coimbra, também Lisboa, Porto, Évora e outras academias têm as suas próprias serenatas monumentais como abertura das suas semanas académicas, no entanto, AAUMa deu a esta tradição uma importância própria, destacando a celebração do trabalho que realiza anualmente em prol dos estudantes madeirenses e do fado de Coimbra propriamente dito.

Realizada em vários outros locais do Funchal, a Monumental Serenata Académica da Madeira voltou a encher o espaço do Pátio dos Estudantes do Colégio dos Jesuítas – reitoria da Universidade da Madeira, no dia 27 de Junho, pelas 21:00. O espectáculo contou com presença do Grupo de Fados da AAUMa, que apresentaram o seu primeiro trabalho discográfico.

Com este espectáculo coroa-se o trabalho desenvolvido pelos Fatum e pela AAUMa na dinamização do Colégio dos Jesuítas. Se gosta de fado de Coimbra e não foi a última serenata, venha ao colégio no próximo dia 25 de Julho e disfrute do sarau mensal.

Carlos Diogo Pereira
Alumnus da UMa

OS NOSSOS PARCEIROS
A NOSSA EQUIPA